Esse ano, celebramos no dia 20 de outubro a 93º Jornada Mundial Missionária. O Papa Francisco convocou o mês de outubro, como Mês Missionário Extraordinário, e este tem como tema: Batizados e enviados: A igreja de Cristo em missão no mundo. E o lema: Ide a todas as nações, fazei discípulos, batizando-os, em nome do Pai do Filho de do Espirito Santo. Mt 28;19

Quando estudamos a história da Igreja, seus documentos e a própria Palavra de Deus, encontramos um convite a um constante desinstalar-se, e hoje mais do que nunca temos uma figura tão vigorosa de uma Igreja Missionária em constante saída, que é o nosso querido Papa Francisco.

A primeira coisa para entender a vida missionária é compreender que a missão é mais do que sair do seu lugar para ir ao encontro dos outros, é primeiro sair de si mesmo, é olhar o mundo para além de nós, dos nossos interesses e perspectivas, é descobrir que não fomos criados para nós mesmos, mais sim para os outros. É isso que dá sentido à vida humana, é isso que faz com que a vida não apenas tenha uma missão, mais que ela seja uma missão.

O missionário é chamado, chamado a sair para ir ao encontro da vida, para dar e encontrar sentido para a vida.

A vida missionária não é apenas para alguns, a Igreja de Cristo é na sua essência uma igreja missionária. Podemos ver o próprio Deus como o primeiro missionário “…Eu vi o sofrimento do meu povo e eu desci para libertá-lo”.  Deus veio habitar no meio do seu povo através do grande missionário, seu Filho Jesus Cristo, para libertá-lo e dar-lhe uma vida nova, um novo sentido de viver. Jesus nos convida a ir, a sair. “Ide e fazei o mesmo”.

Quando Jesus nos convida, ele nos convida a irmos em algum lugar, para fazermos alguma coisa. Ele não nos envia a qualquer realidade, para fazer qualquer coisa, mais Ele nos chama e nos envia “onde Ele mesmo devia ir” para fazer aquilo que Ele fazia. E o que Jesus fez? Ele passou por esse mundo amando e fazendo o bem! Essa é a primeira e a mais importante missão de todo batizado, essa é a missão da Igreja: Amar e fazer o bem!

Portanto, Jesus escolheu os setenta e dois, e Ele “os enviou dois a dois.” Aqui para entendermos que não fazemos missão sozinhos, precisamos contar com o Espirito Santo que habita em nós, fonte de todas as graças e dons que recebemos e portamos; depois, somos enviados dois a dois, para dizer que o missionário precisa sustentar um ao outro na fraternidade e na missão.

Contudo, temos ainda outras realidades que a vida e o clamor do povo são mais fortes, e Deus também nos chama para estas realidades. “Deixa sua terra, sua gente e vai para a o lugar que te mostrarei.” Podemos destacar aqui a missão ad gentes, a missão a outros povos.

Enfim, não somos nós que escolhemos fazer missão ou ser missão, mais é Deus que nos escolhe e nos capacita, para sermos apenas instrumentos d’Ele, no meio povo. Logo a missão não é nossa é de Deus, nós somos apenas seus colaboradores, pois o amamos e por isso o servimos. E é servindo que aprendemos a amá-Lo e sermos verdadeiros Missionários.

Soeur Marinéia