Estamos vivendo um tempo de muitos desafios, de dores e de necessidade de distanciamento social, que nunca havíamos experimentado antes. Por outro lado, temos a oportunidade de viver a solidariedade, a escuta, a profunda intimidade e confiança no Deus da Vida.

O verbo a ser conjugado é o Esperançar. Esperançar é uma esperança ativa, que nos move. Neste tempo de isolamento, é uma esperança que nos aproxima das pessoas. É a possibilidade de sair de nós mesmas e ver o invisível. O empobrecido invisível, a pessoa idosa invisível, o imigrante invisível, quem vivia de economia informal invisível. Muitas vezes, estas pessoas podem estar muito próximas de nós, e nós podemos ser o olhar que as tira da invisibilidade. É isto que tem nos movido ao encontro dos invisíveis e conjugado o verbo esperançar em suas vidas.

É chegar com o alimento, com material de higiene e limpeza, com uma revistinha em quadrinhos, com um pequeno brinquedo, com um ouvido atento e com o olhar de Deus sobre suas dores. “Eu vi, eu vi a aflição de meu povo … e ouvi os seus clamores … Sim, eu conheço seus sofrimentos. Vai, eu te envio”. E assim vamos sendo pontes entre quem pode oferecer e quem precisa receber!

Por Ir. Telma Lage – RMNSD